148 médicos iniciam trabalho em Fortaleza no programa criado

No total, a carga horária contemplará 1.920 horas, focadas para competências que visem o atendimento às necessidade dos indivíduos, suas famílias e da comunidade.

Como parte do fortalecimento da atenção primária, 148 médicos que integram o Programa Médico da Família Fortaleza dão início aos trabalhos nos postos de saúde da Capital na manhã desta segunda-feira, 12, em solenidade na Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP/CE). O programa foi criado após o anúncio da saída de médicos cubanos do programa Mais Médicos.

Para o prefeito Roberto Cláudio, essa é uma parceria inovadora, em que gestões estadual e municipal lançam uma política de apoio ao Programa de Saúde da Família (PSF) nos bairros e comunidades de Fortaleza. Ele explica que os critérios para a contratação de novos profissionais são a vulnerabilidade social da área e a ausência de médicos.

“Além de contratação de médicos novos, é um programa de formação. Esses médicos, muitos deles recém-formados, vão passar por uma experiência acadêmica de treinamento em serviço. Não é só uma contratação de médicos para postos de saúde, mas uma garantia de mais qualidade”, ressalta.

O programa atende a médicos brasileiros ou estrangeiros com visto permanente no País e oferta o pagamento de uma bolsa mensal no valor de R$ 11.865, custeada por recursos municipais. No total, a carga horária contemplará 1.920 horas, focadas para competências que visem o atendimento às necessidade dos indivíduos, suas famílias e da comunidade.

“Esse é um projeto-piloto. Com ele nós duplicaremos o número de profissionais com especialidade em saúde básica, que são cerca de 200 atualmente. Nós buscamos uma educação que já existe em países mais desenvolvidos, que une a tecnologia da informação e comunicação com o aprendizado”, destacou Salustiano Gomes, superintendente da ESP.

Com informações da repórter Ana Rute Ramires/O POVO

REDAÇÃO O POVO ONLINE