“A novidade desta eleição é que o Psol vai para o segundo turno”, diz Ailton Lopes

Agora candidato do Partido Socialismo e Liberdade (Psol) ao Palácio da Abolição, Ailton Lopes disse  ao O POVO Online que a novidade desta eleição majoritária, a segunda que participa, é que o Psol irá para o segundo turno. Conforme o bancário, a chapa Psol-PCB é a única realmente de esquerda no cenário local “sem fundamentalistas e golpistas”.

Lopes teve candidatura lançada neste sábado, 28, às 9 horas, na sede do partido, na Avenida Imperador, 1397, em convenção partidária. Ele tem na vice a militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB), Raquel Lima, ligada a movimentos de ocupação. Para o Senado, estarão na corrida o pastor protestante, militante de direitos da infância e adolescência e do movimento negro, Jamieson Simões (Psol), e pelo operário da construção civil, Benedito Oliveira (PCB), militante do partido.
Ao lado dos nomes confirmados, a sigla lançaou candidaturas proporcionais. Em entrevista ao O POVO Online ainda na tarde dessa sexta-feira, 27, um dos diretores estaduais da sigla, Moésio Mota, disse que seriam confirmadas 16 candidaturas ao Congresso Nacional e outras 33 à Assembleia Legislativa.
Ele destacou os nomes do professor Alexandre Araújo da Costa – que tenta descompatibilização da UECE – à Câmara dos Deputados, a militante do partido Adelita Monteiro, além do advogado Edmilson Barbosa, que reside no município de Tauá. Entre as candidaturas estaduais, Renato Roseno tentará reeleição para uma vaga na Assembleia. Outro nome citado por Mota foi o do operário da construção civil Nestor Bezerra, que também tentará a Assembleia Legislativa.
Conforme Lopes, os nomes do partido são filhos e filhas da classe trabalhadora. Segundo ele, entre as candidaturas estarão catadores, pescadores, professores, indígenas, pessoas com deficiência, LGBTs e membros de movimentos sindicais.
O evento do partido homenageou a ex-vereadora psolista Marielle Franco, que completaria 39 anos nessa sexta-feira, 27, além do centenário do advogado, líder e ex-presidente sul-africano, Nelson Mandela, e os 50 anos do Maio de 68, data que marcou revolta estudantil e operária em todo o Ocidente.
Fonte: O POVO Online