Advogada explica conjuntura de briga judicial envolvendo herança de Gugu

A briga judicial entorno da herança de Gugu Liberato, que morreu em 2019, tomou proporções ainda maiores nos últimos dias, após a mãe dos filhos do ex-apresentador falar sobre o caso no programa Fantástico, da Rede Globo. Agora a disputa entre Rose Miriam di Matteo e os filhos segue ainda mais forte aos olhos do público. Para entender o caso, O POVO conversou com a advogada Rebecca Albuquerque, que falou sobre as possibilidades de desfecho para o imbróglio.

Ela explica que Miriam precisa provar que estava em união estável com Gugu para que possa ter direito a qualquer dinheiro. A união estável é uma forma de resguardar os direitos de um casal e nela é possível excluir ou destinar um bem para a outra pessoa, podendo ter os mesmos direitos que um casamento com comunhão parcial de bens.

Para isso, Rebecca explica que Miriam precisaria de alguma prova que mostrasse que ela e Gugu estavam juntos. Mesmo sendo mãe dos filhos dele, ela precisaria apresentar uma testemunha ou até mesmo um plano de saúde que provasse a união. “Ter filho não significa que ela tem união estável com ele”, explica  advogada.

A briga se intensificou após declarações dos filhos de que “não pactuam deste espetáculo” da mãe, se mostrando supostamente contra a exposição do caso na mídia. “O fato dos filhos estarem aparentemente contra mãe, depõe um pouco contra ela. Se fosse uma injustiça [ela não estar no testamento], eles seriam os primeiros a dizer ’não, mamãe era casada com papai, moram juntos’”, declara.

No testamento, Gugu deixou 75% para os filhos e 25% para os sobrinhos. Além de não receber parte da herança, Miriam teve a pensão de R$ 100 mil diminuída para R$ 42 mil. Diferente dela, a mãe de Gugu, que teve pensão declarada em testamento, não pode ter o valor reduzido.

“A pensão da mãe ele deixou em testamento do patrimônio dele. Isso é indiscutível. A dela [Miriam] ela pediu baseado em um cálculo. O juiz deu, eles [família do Gugu] recorreram e o desembargador baixou. Essa pensão é provisória. Ela deve ter provado que ele a mantinha, mas não tem nada escrito. A pensão pode cair ou aumentar, dependendo do que ela consiga provar”, explica Rebecca.

Até agora Miriam não conseguiu apresentar nenhuma prova contundente de que ela vivia em união estável com Gugu. “Apareceu o contrário. A família dele [Gugu] apresentou um documento assinado pelos dois em que ela era só mãe dos filhos”, finaliza.

FONTE: O POVO ONLINE