André Fernandes recua e diz que foi um “momento de revolta”

André Fernandes prometeu responder na tribuna aos colegas

Em entrevista à Rádio O POVO CBN, na manhã desta sexta-feira, 14, o deputado estadual André Fernandes se defendeu e afirmou que não faltou com decoro parlamentar durante sua fala na Assembleia Legislativa na última quarta-feira, 12. Na ocasião, Fernandes disse que recebia “denúncias diárias” de que havia deputados possivelmente envolvidos com facções criminosas. A postura de Fernandes não agradou aos colegas, que prometeram processá-lo no Conselho de Ética.

Durante a entrevista, ele atestou que, em nenhum momento, afirmou que os deputados estão envolvidos, mas que recebe denúncias diárias sobre a associação de deputados com facções criminosas. “Denúncias são feitas embasadas através de indícios. Eu não posso ser irresponsável a ponto de chegar na tribuna da Assembleia e falar para a Televisão e todas as mídias sociais o nome de um deputado que está sendo denunciado pelos próprios eleitores”, disse o deputado, afirmando, em seguida, que já encaminhou as denúncias às autoridades responsáveis.

Na sessão da AL onde a polêmica teve início, Fernandes, durante seu discurso, chegou a perguntar “qual a moral tem deputado envolvido com facção, ou senador e governador que recebe propina para falar sobre segurança pública, moralidade, respeito e ética?”. Em conversa com o jornalista Ítalo Coriolano, que estava apresentando o programa, entretanto, o deputado garantiu que não faltou com decoro parlamentar, nem faltou com ética – o que torna, segundo ele, desnecessário o processo no Conselho.

Fernandes concordou, na entrevista, que sua fala gerou grande constrangimento aos colegas da casa. Mas, relacionou sua exaltação a um “momento de revolta” ao ver os deputados sobre os quais recebe as denúncias subindo à tribuna para “falar coisas que eu acho hipocrisia”. “Não citei nomes, não generalizei e não ataquei ninguém diretamente, ferindo a honra de nenhum deputado. Agora, se tem deputados que se doem por causa disso, é complicado. Eu falo sobre deputados envolvidos e até parece que a carapuça serviu”, complementou.

Sobre os detalhes das denúncias, o deputado disse que já encaminhou todos os materiais ao Ministério Público. De acordo com ele, pode existir deputados “representando facção criminosa”. “Eu espero que sejam indícios, mas, tudo indica que seja verdade”, desabafou.

O que Fernandes ressaltou, entretanto, é que suas falas reverberam de forma polêmica na Assembleia Legislativa. “Se eu recebi uma oração, foi polêmica. Se eu falei que não receberia vantagem ilícita, outra polêmica. Se eu coloquei um quadro de armas aqui no meu gabinete, outra polêmica.”, diz.

Para finalizar, contou que não ficou clima ruim com o PSL após sua saída. Na última quinta-feira, 13, André deixou a presidência municipal do partido, o mesmo de Jair Bolsonaro, alegando ter se decepcionado com a sigla. “Eu não me senti confortável em estar na presidência do PSL nesse momento e pedi para me retirarem da presidência. Eu que solicitei a saída da presidência do PSL Fortaleza”, afirmou.

Fonte: O POVO Online