Aplicativo de transporte coletivo começa a funcionar

O aplicativo TopBus+, serviço de transporte coletivo sob demanda, foi lançado em Fortaleza nesta terça-feira, 3, em evento no BS Design. O serviço passará a funcionar nesta quarta-feira, 4. Inicialmente serão 11 bairros contemplados: Centro, Praia de Iracema, Aldeota, Mucuripe, Varjota, Papicu, Cidade 2000, Cocó, Joaquim Távora, Fátima e Benfica, além dos principais shoppings e universidades de Fortaleza.

O aplicativo fará a rota solicitada pelo usuário, saindo da esquina mais próxima onde o passageiro se encontra até a esquina mais próxima do destino escolhido. Ao mesmo tempo o algoritmo buscará alguém que possa aproveitar a viagem, sem prejudicar a chegada ao destino final do cliente. O TopBus+ poderá ser encontrado para download na Apple Store e Google Store.

A tarifa cobrada será de R$ 3,50 com o acréscimo de R$ 1,50 para cada km rodado, sem preço dinâmico como em aplicativos de transporte privado urbano. Além disso, haverá também a opção de viagem em grupo. Caso seja solicitada essa opção, deverá ser informada a quantidade de pessoas, o que irá gerar o acréscimo de R$ 1,50 por passageiro ao valor final. Depois, a soma da distância percorrida (R$ 3,50 + R$ 1,50 por quilômetro rodado + R$ 1,50 por pessoa do grupo) será dividida entre cada um dos solicitantes.

Inicialmente será possível pagar apenas usando cartão de crédito, mas a ideia é que logo seja possível utilizar cartão de débito, bilhete único ou carteira de estudante (embora não haja opção de “meia passagem”). O funcionamento será de 6h às 23 horas, de segunda-feira a sábado.

Fortaleza é a segunda cidade brasileira a receber o serviço, que já funciona em Goiânia. Desenvolvido pela empresa Via, o aplicativo começou com 15 veículos, cobrindo uma área de 27km². Hoje são 40 veículos em 50km². O crescimento foi de 3 vezes em 8 meses. Em Fortaleza, de início serão 18 Sprinters da Mercedes-Bens, comportando até 13 pessoas. “A ideia é sempre começar devagar. As pessoas vão entendendo, a cidade vai entendendo, e aí vai ampliando na medida que o serviço vai tendo sucesso”, afirma Leandro Aliseda, diretor executivo da Via no Brasil.

Segundo Leandro, estima-se que a cada 15 ônibus, 600 carros são retirados da rua em Goiânia. 85% dos usuários da capital de Goiás tinham carro particular e não usavam ônibus. “As pessoas passam a olhar o transporte público como algo factível, acessível, amigável, e se sentem bem”, diz.

O plano é que assim como na outra cidade, haja o crescimento de área e veículos. A fase piloto servirá para observar a demanda e saber como o passageiro se comporta, contribuindo para uma futura expansão do serviço. Dimas Barreira, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Ceará (Sindiônibus), acredita que o serviço ajudará na mobilidade urbana e que esse é o caminho para as cidades que enfrentam problemas com centração de pessoas e mobilidade. “Quanto mais as pessoas se movem para o individual, os recursos ficam mais escassos, as cidades ficam mais travadas, a poluição aumenta, e os acidentes aumentam. A gente precisa inverter a marcha”, afirma.

FONTE: O POVO ONLINE