Arábia Saudita vai oferecer vistos para turistas pela primeira vez

Cidadãos de 49 países poderão visitar o reino ultraconservador – o Brasil não consta na lista. Mulheres não serão obrigadas a usar vestimentas islâmicas, mas ainda assim terão que se “vestir de maneira modesta”.A Arábia Saudita anunciou nesta sexta-feira (27/09) que vai começar a emitir, a partir de amanhã, vistos para turistas comuns. Até então, o reino ultraconservador só permitia a entrada de peregrinos islâmicos com destino a Meca, viajantes de negócios e diplomatas. O anúncio ocorre em meio a uma nova crise de imagem da Arábia Saudita no ocidente. Nesta semana, vários países ocidentais divulgaram um comunicado condenado a situação dos direitos humanos no país árabe, que costuma realizar prisões sem base legal e ainda promove execuções públicas. O histórico do país em relação aos direitos das mulheres também voltou a ficar em evidência após a prisão de uma série de ativistas em 2018. A data escolhida para o anúncio também ocorre apenas alguns dias antes do aniversário de um ano do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi por agentes sauditas. Segundo um site criado pelo reino para lidar com os pedidos de vista, a emissão será concedida para cidadãos de 49 países, entre eles a Alemanha, Estados Unidos, Canadá, China e Japão. O Brasil não consta na relação, assim como todas as outras nações da América do Sul. O site para a promoção do turismo saudita informa que habitantes de países que não aparecem na lista são encorajados a contatar as embaixadas sauditas em seus países O reino ainda lançou uma conta no Twitter com o nome de @VisitSaudiNow para promover o país. Para tentar passar uma imagem mais amigável aos turistas, o país informa que turistas estrangeiras do sexo feminino não serão obrigados a usar a abaya, uma vestimenta islâmica que cobre os cabelos, os braços e as pernas, que é compulsória para as mulheres sauditas. Ainda assim, o site lançado pelo reino diz que as turistas ainda assim terão que se vestir “de maneira modesta”. A seção de “etiqueta” da página ainda informa que “demonstrações públicas de afeto não são consistentes com a cultura local e que os visitantes também devem evitar palavras e gestos profanos”. A promoção do turismo é um dos principais pontos do programa de reformas “Visão 2030″, concebido pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, que tem como objetivo preparar a maior economia árabe para a era pós-petróleo. “Abrir a Arábia Saudita a turistas estrangeiros constitui um momento histórico para o nosso país”, afirmou, em comunicado, o diretor do turismo do país, Ahmed al-Khateeb. O país espera que, até 2030, o turismo passe a constituir 10% do PIB do país e consiga atrair 100 milhões de visitantes por ano. No entanto, céticos apontam que a má reputação do país ainda deve constituir uma barreira para atrair turistas. Os visitantes também ainda devem continuar a ser submetidos a várias restrições. Turistas não islâmicos, por exemplo, não poderão visitar as cidades sagradas de Meca e Medina. A venda de álcool é ilegal no país, e o site saudita para a promoção do turismo adverte que é crime trazer qualquer bebida alcoólica para o país. O reino também não informou se casais que não tem união civil formal poderão se hospedar no mesmo quarto em hotéis sauditas, o que hoje é proibido. Também não deixou claro se turistas do sexo feminino poderão dirigir pelo país.

Fonte: O POVO Online