Atos acontecem em São Bernardo e outras cidades

MILITANTES fizeram vigília em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernado MIGUEL SCHINCARIOL/AFP

Ao longo do dia, em meio às idas e vindas em relação à soltura do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT), militantes foram se organizando em atos pelo Brasil. De manhã, logo após anunciado o habeas corpus concedido pelo desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), manifestantes foram ocupando a Praça Olga Benário, em frente à sede da Polícia Federal, em Curitiba, na expectativa do cumprimento da liminar.

Outro ponto de concentração foi em frente a sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. O clima era de comemoração.

Contando que Lula sairia da prisão, apoiadores colocaram um carro de som, estenderam faixas e vestiram camisetas com palavras de ordem pela liberdade do ex-presidente, preso desde 7 de abril. Foi nesse dia que Lula usou o mesmo local em São Bernardo do Campo para realizar um ato político antes de se entregar à Polícia Federal.

Na capital paulista, alguns simpatizantes do ex-presidente encontram-se perto do Museu de Arte de São Paulo (Masp) na avenida Paulista. Em Brasília, a concentração foi em frente ao prédio do Supremo Tribunal Federal. No Rio de Janeiro, o ato aconteceu na Cinelândia.

Em Porto Alegre, onde fica a sede do TRF-4, uma vigília reuniu centenas de apoiadores do ex-presidente. Foi de lá que o desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, presidente do Tribunal, decidiu pela permanência de Lula na prisão. Do lado de fora, manifestantes cantavam a canção pela legalidade, em referência ao movimento encabeçado por Leonel Brizola na década de 60.

Em Curitiba, centenas de militantes, lideranças e simpatizantes a Lula estavam na saída lateral da sede da Superintendência da PF, no bairro Santa Cândida. Eles cantavam músicas de apoio e gritavam palavras de ordem em meio a expectativa da liberação.

À noite, após a decisão que pôs fim ao impasse, a presidente do Partido dos Trabalhadores deu uma coletiva no Sindicato dos Metalúrgicos. Por volta das 21 horas, ela escreveu no Twitter: “Com manobras e golpe impediram Lula de sair da prisão! Uma atuação vergonhosa de Moro, Gebran, Thompson e Polícia Federal. Eles têm muito a explicar! Nós continuaremos na luta!” (com AFP)

 

REUNIÃO DO PT

SITUAÇÃO DE LULA

O PT convocou para hoje, a partir das 10 horas, reunião ampliada do Conselho Político para discutir a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde abril, em Curitiba (PR). COLETIVA DE IMPRENSA

A reunião será em São Paulo, no Diretório Nacional da sigla. A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), comandará a reunião e deverá conceder entrevista coletiva ao final, segundo a assessoria de imprensa.CONFLITO DE COMPETÊNCIA

O conflito de competência envolvendo as decisões, anunciadas ontem, sobre manter Lula preso ou libertá-lo levou o comando do PT a convocar a reunião extraordinária para hoje.

Fonte: O POVO Online