Caminhoneiros se articularam em grupos para reforçar protesto

MOBILIZAÇÃO Mensagens nacionalistas se espalharam pelos grupos de caminhoneiros ROBERTO PARIZOTTI/ FOTOS PÚBLICAS

Enquanto o governo se articulava nos gabinetes para por fim à greve dos caminhoneiros, que ontem completou sete dias, os motoristas tinham outros planos para fortalecer o movimento. Tudo organizado por meio de grupos de WhatsApp, onde fotos, vídeos, e discursos inflamados eram postados.

No sábado, 26, quando se esperava uma trégua com a liberação de algumas rodovias, a ordem que circulava nos grupos era abrir caminho, mas não desistir da paralisação.

Ontem, a ordem não só foi cumprida, como os caminhoneiros iniciaram uma nova frente para aumentar os protestos Brasil afora.

Em muitas postagens, ainda sem perspectivas sobre um posicionamento do governo, lideranças começavam a organizar novas paralisações para esta segunda.

Em um vídeo que circulava entre os grupos, representantes do movimento chamavam, além de caminhoneiros, veículos de passeio para parar nas BRs. Uma manifestação em pontos estratégicos das principais capitais também estava sendo organizada.

Em Fortaleza, um pequeno grupo se manifestava na Praça Portugal em apoio à categoria. Os integrantes da manifestação estavam, em sua maioria, vestindo roupas nas cores verde e amarela e carregando bandeiras brasileiras. Com mensagens nacionalistas, os grupos viraram um instrumento para evitar que os participantes se rendessem ao cansaço e aos apelos do governo. Se uma frente começa a passar por dificuldades, como falta de água e comida, mensagens são disparadas para que outros manifestantes entrem em ação e ajudem os companheiros. Pelo tom das conversas, as reivindicações saíram do campo econômico – envolvendo o preço do diesel – e entraram na esfera política.

Depois da dimensão que a greve tomou nos últimos dias, os caminhoneiros passaram a acreditar que podem mudar o rumo do País. Cada um tem uma tese diferente, expressa nas mensagens de WhatsApp.

Alguns acreditam que se conseguirem manter a paralisação por mais tempo, o governo atual será obrigado a renunciar; outros vão além: querem derrubar os Três Poderes (Executivo, Judiciário e Legislativo), conforme áudio publicado em um dos grupos.

A maioria apoia a intervenção militar como a única saída para o Brasil. Isso acabou criando uma situação inusitada com o Exército. Alguns vídeos mostravam a atuação dos soldados acionados para liberar as estradas. Eles eram recepcionados com palmas e continência pelos caminhoneiros.

As fake news também são fartas nos grupos. No sábado, 26, circulavam vídeos com informações de que o governo cortaria energia elétrica de todo o País se a greve não chegasse ao fim. (Com Agência Estado).

DOMINGO DE CAOS E NEGOCIAÇÕES: >8h Marun apresenta a Temer mais reivindicações dos caminhoneiros. > 10h Caminhoneiros mantêm 554 pontos de bloqueios em estradas, diz PRF. > 14h30min Equipe econômica vai ao Palácio após novos pleitos dos caminhoneiros. > 16h20min Eunício convoca sessão extraordinária para votar projeto sobre fretes. > 17h Nível de combustível do aeroporto de Brasília chega a estado crítico. > 18h Governo baixa diesel na bomba, mas não por 60 dias. > 19h30min “Faltou muito pouco para acordo com caminhoneiros”, diz governador de São Paulo. > 21h30 min Governo cede e aguarda fim da paralisação dos caminhoneiros.

Fonte: O POVO Online