Caso Jamille: Polícia Civil indicia namorado por feminicídio

A Polícia Civil anunciou nesta terça-feira, 17, ter concluído as investigações sobre a morte da empresária Jamile de Oliveira Correa, ocorrida em 30 de agosto último. O seu então namorado, o advogado Aldemir Pessoa Júnior, foi indiciado pelos crimes de feminicídio, fraude processual, porte ilegal de arma de fogo de uso permitido e ceder arma sem autorização e em desacordo com determinação legal.

Apesar disso, a Polícia não pediu a prisão de Aldemir. Foi representado pela medida cautelar de monitoração eletrônica do suspeito. O inquérito policial foi enviado à Justiça e aguarda posicionamento do Ministério Público Estadual (MPCE) para oferecimento ou não de denúncia.


A defesa de Aldemir Pessoa Júnior, feita pelo advogado Elson Santana, afirmou que, “por enquanto” não se manifestaria, até por ter passado a analisado o indiciamento na tarde desta terça. Conforme ele, está prevista, “provavelmente”, para a próxima semana uma entrevista coletiva com esse posicionamento.

Santana, no entanto, criticou como “totalmente descabido” o pedido de monitoramento eletrônico feito pela Polícia. “Ele já vem cumprindo medida cautelar, prestando todas as informações ao juiz, não descumpriu nenhuma das medidas. Acredito eu que a Justiça possa até revogar as medidas já existentes”.

Relembre o caso
Jamile foi baleada no closet de seu apartamento, localizado no bairro Meireles, na madrugada do dia 30 de agosto. Relatos de testemunhas e câmeras de vigilância apontam que ela teve uma discussão com Aldemir antes do disparo.

Jamile foi levada por Aldemir ao Instituto Dr. José Frota (IJF). O namorado informou à equipe médica que Jamile havia tentado suicídio — o que teria sido confirmado pela empresária, durante o indiciamento. Na manhã do dia 31, ela veio a falecer.

FONTE: O POVO ONLINE