Ceará perde para o Grêmio e entra pela primeira vez na zona de rebaixamento

Diante de um rival duro, semifinalista da Libertadores, Ceará adotou postura defensiva

Décima partida consecutiva sem vencer. A derrota para o Grêmio-RS por 2 a 1 no Centenário, em Caxias do Sul, aumentou a sequência negativa do Ceará. E pior, empurrou o time para a zona de rebaixamento da Série A pela primeira vez neste ano.

Apesar da derrota, a ida do Vovô para o Z-4 só se concretizou por causa da vitória do CSA-AL. Em plena reação no Campeonato, o Azulão venceu o Internacional-RS em casa e foi a 25 pontos, dois a mais do que o Alvinegro.

Diante dos gaúchos, o Alvinegro mostrou pouco recurso ofensivo, apostou no sistema defensivo durante os 90 minutos — mesmo quando já estava atrás no placar —, e não teve ousadia nem para buscar o empate. O técnico Adílson Batista mexeu na escalação para o duelo contra o Imortal com esquema com três homens de marcação no meio de campo: Pedro Ken, William Oliveira e Fabinho.

O Grêmio construiu o placar já no primeiro tempo. Dominando a posse de bola, com mais de 70%, os comandados de Renato Gaúcho movimentaram por duas vezes o marcador, além de terem um gol anulado — corretamente, diga-se. O zagueiro Pedro Geromel, que voltou a atuar após um mês se recuperando de lesão, e o volante Maicon, de pênalti, marcaram para os donos da casa na reta final da etapa inicial.

O Vovô, que pouco chegava ao ataque, diminuiu com Fabinho quase nos acréscimos. O clube do Porangabuçu também teve um gol anulado corretamente.

Para o segundo tempo, a expectativa era que Adílson abrisse mão da postura defensiva para liberar o time em busca de empate. Entretanto, as alterações surpreenderam negativamente ao não mudarem o panorama da partida. O Ceará voltou dos vestiários com Juninho Quixadá e Ricardinho nas vagas de Mateus Gonçalves e Felippe Cardoso — os únicos atacantes de ofício do Alvinegro em campo.

Na metade do segundo tempo, Adílson Batista usou sua última substituição para colocar Auremir, volante de força e marcação, desconsiderando opções de ataque como Bergson e William Popp. Sem recurso e peças ofensivas, o Vovô seguiu buscando os contra-ataques, sem sucesso. No sistema adotado, o meia-atacante Thiago Galhardo, artilheiro da equipe com nove gols no Brasileirão, ficou isolado e pouco produziu.

No fim de jogo, o Ceará teve um único suspiro. A chance do empate veio após jogada de Juninho Quixadá que terminou com finalização de Ricardinho pra fora, aos 44 minutos do segundo tempo.

FONTE: O POVO ONLINE