Ceará registra 9 casos de leptospirose; saiba os sintomas

ENCHENTES favorecem proliferação da doença, transmitida por urina de rato

Transmitida pela urina de roedores, principalmente ratos, a leptospirose já teve nove casos confirmados até o dia 6 de abril. Do total, sete foram em Fortaleza e dois em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Conforme a atualização semanal das Doenças de Notificação Compulsória da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), até a Semana Epidemiológica 14 uma única morte por leptospirose no Ceará foi registrada na Capital. No entanto, outra morte teria sido registrada, no bairro Lagamar. O segundo óbito por leptospirose foi confirmado pelo Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH).

No período chuvoso, os esgotos e bueiros contaminados com urina de rato entram em contato com as águas das chuvas durante as enchentes e espalham a bactéria no ambiente, aumentando a incidência de casos. Os sintomas podem ser semelhantes aos de outras doenças, como zika e chikungunya: febre, dor muscular, vômito, diarreia e dor de cabeça. Mas existe uma tríade mais característica que é a dor de cabeça, febre e dor muscular nas panturrilhas. Nos casos mais graves, a doença pode apresentar hemorragia, insuficiência renal e respiratória, além de levar ao óbito. Em 2018, foram 47 confirmados e dez óbitos em razão da doença no Ceará.

Bergson Moura, médico veterinário e técnico do Núcleo de Controle de Vetores da Sesa, destaca que as pessoas apresentam os sintomas e entrarem em contato com água da chuva possivelmente contaminada nos últimos 30 dias, devem procurar uma unidade básica de sáude e relatar à exposição.

“A doença causada por uma bactéria do tipo Leptospira, que é eliminada pela urina de ratos, ratazanas e camundongos. Outros animais como bovinos, cães e gatos, se contaminados, também podem transmitir a doença ao homem tanto quanto ratos”, explica.

Ele frisa que a responsabilidade pela prevenção é da população e do governo. “Com relação ao governo, é preciso saneamento básico, com água encanada e potável, coleta de lixo e esgoto, além de moradia em condições dignas e combate aos ratos, limpando bueiros córregos e rios”. Por outro lado, a população “deve se responsabilizar pela limpeza de suas casas, dos quintais e de suas ruas, retirando o lixo e colocando em sacos plásticos, armazenando o lixo dentro de cestos ou latões tampados, evitando o contato de insetos e moscas, além de cuidar da limpeza da caixa d’água e esgotos”.

Atualpa Soares, gerente da Célula de Vigilância Ambiental e de Riscos Biológicos da Secretaria Municipal da Saúde de Fortaleza (SMS), afirma que os dados deste ano estão próximos do ano passado. “Nada que possa chamar a atenção”, diz.

prevenção

Sintomas:

vômitos, febre, erupções cutâneas, dor de cabeça, nas articulações e ao redor dos olhos, dor na panturrilha, pequenas manchas vermelhas na pele. Em casos mais graves, pele e olhos amarelados, sangramento e alterações na urina.

Como evitar:

> Embrulhar lixo em sacos fechados e longe do chão;

> Não deixar exposto resto de alimento ou ração de animais domésticos;

> Evitar amontoado de entulhos e objetos;

> Evitar o contato direto com a água da chuva ou a lama.

> Não jogar lixo nos rios, córregos, praias e bueiros.

Fonte: O POVO Online