Cerca de 70 radares serão instalados em BRs no CE

CINQUENTA TRECHOS mais críticos de rodovias federais no Ceará irão receber radares

Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) deverá instalar um lote de cerca de 70 radares eletrônicos, para monitoramento de 145 faixas de trânsito, em três rodovias federais que cortam o Ceará. A instalação, em 49 trechos de zona urbanas e um rural, decorre de acordo judicial homologado na última segunda-feira, 29, pela Justiça Federal.

Em abril, os fotossensores foram retirados das BRs após determinação do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Dias depois da definição federal, a juíza Diana Wanderley da Silva, da 5ª Vara Federal de Brasília, suspendeu a medida.

Conforme sentença da juíza, o Dnit terá um prazo de 60 dias para instalar os equipamentos previstos no acordo. São aproximadamente 1.140 radares eletrônicos responsáveis pela cobertura de 2.278 faixas em todo o Brasil, visando o controle de velocidade em áreas de criticidade “média”, “alta” e “muito alta”. Dos cinquenta trechos no Ceará, definidos em estudo técnico de 2016, quatro estão na BR-020, 23 na BR-116 e 23 na BR-222.

O Dnit não informou a quantidade exata de radares a serem instalados no Ceará, mas informou que cada equipamento cobre, em média, duas faixas de trânsito. Desse modo, o Estado deve receber em torno de 70 radares, uma vez que 145 faixas serão monitoradas. Os equipamentos são de três tipos: Controlador Eletrônico de Velocidade (CEV), Redutor Eletrônico de Velocidade (REV) e Controlador Eletrônico Misto (CEM).

Em abril, quando o Dnit começou a retirar os equipamentos, o Ceará dispunha de 71 equipamentos. À época, o órgão informou que a previsão era a retirada de todos os equipamentos. Questionado pelo O POVO sobre quantos radares foram retirados, bem como o número de acidentes e de infrações por excesso de velocidade no primeiro semestre deste ano e no mesmo período do ano passado, o órgão não respondeu.

O professor do curso de Engenharia de Trânsito da Universidade Federal do Ceará (UFC), Mario Ângelo Azevedo, alerta para a importância do controle da velocidade. “A retirada (dos radares) foi um absurdo. As multas só ocorrem quando a pessoa comete a infração. Os radares são importantes justamente para a fiscalização. Se não coloca, alguns motoristas acabam abusando da alta velocidade e provocando acidentes”, observa.

Dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) mostram uma redução de 32,8% nos flagrantes de excesso de velocidade. Neste ano, entre janeiro e o último dia 29 de julho, foram registradas 77.680 infrações. No mesmo período do ano passado, foram observadas 115.664 descumprimentos.

2ª etapa

O acordo ainda prevê a realização de um novo estudo, apresentando a necessidade dos radares nas faixas remanescen- tes, de criticidade baixa e muito baixa. O prazo de conclusão é de até 120 dias.

Fonte: O POVO Online