Ciro cresce no PSB e conquista apoios entre deputados e governadores

CIRO GOMES avança nas conversas com PSB e teria maioria para receber apoio FÁBIO LIMA

A duas semanas do início do período das convenções partidárias, a hipótese de aliança nacional entre PDT e PSB em torno da candidatura de Ciro Gomes ao Planalto cresceu nos últimos dias. Hoje, o pedetista teria maioria do apoio dos governadores, deputados federais e senadores pessebistas.

 

O PSB deve anunciar até o fim do mês se endossa o nome do ex-governador do Ceará na disputa pela Presidência da República. O acordo é fundamental para que o ex-ministro ganhe musculatura para fechar acordos com outras legendas, como o grupo do “centrão”, e mais tempo de propaganda política.

Para o atual líder do PSB na Câmara Federal, deputado Tadeu Alencar, o partido se divide entre três alternativas: liberar os diretórios estaduais para costurar blocos atendendo a interesses locais, como em São Paulo, onde o atual governador Márcio França defende chapa com o pré-candidato Geraldo Alckmin (PSDB); firmar apoio ao PT, parceiro preferencial em Pernambuco; ou coligar-se ao PDT de Ciro, cujos dirigentes têm mantido reuniões frequentes com o presidente do PSB, Carlos Siqueira – Cid Gomes, um dos coordenadores da campanha de Ciro, reuniu-se 15 dias atrás com a bancada federal pessebista.

“O Ciro tem uma ambiência no partido. Pode ser o nosso representante desse campo de esquerda para as eleições”, disse o deputado pernambucano. De acordo com ele, o ex-governador do Ceará tem conseguido “fazer um diálogo com a sigla e expandir os apoios dentro dela”.

Apesar disso, admite Alencar, o PSB ainda procura chegar a um entendimento com o PT no Estado. “Temos um grau de convergência com o PT. Nos interessa atrair o partido para a base do governador (Paulo Câmara, do PSB, que disputa a reeleição). E a condição disso é a retirada da candidatura”,respondeu.

O parlamentar se refere ao nome da pré-candidata petista ao governo de Pernambuco Marília Arraes. Vereadora em seu terceiro mandato em Recife (ela deixou o PSB e se filiou ao PT em 2016), Marília é neta de Miguel Arraes e prima de Eduardo Campos, morto em acidente aéreo em 2014. A parlamentar aparece empatada com Câmara em pesquisa de intenção de voto do Instituto Múltipla feita em maio passado.

Ex-líder do PSB na Câmara, o deputado Júlio Delgado defende apoio do partido ao presidenciável pedetista. “Sou favorável a uma aliança com ele. Não temos vocação pra ser um partido qualquer, apenas pra construir bancada. Temos projeto nacional e uma candidatura que está mais no nosso campo ideológico, que é a do Ciro”, afirmou em entrevista ao O POVO. Delgado acrescenta que, hoje, o ex-ministro tem a preferência dos diretórios do PSB.

Fonte: O POVO Online