Ciro diz que rumores sobre alianças são “fofocas”, mas admite apoio do PSB

CIRO GOMES (PDT) disse que sondagens sobre alianças são fofocas DIVULGAÇÃO

O pré-candidato à presidência da República, Ciro Gomes (PDT), classificou como “fofocas” todas as previsões feitas até então sobre formação de aliança para a corrida presidencial deste ano. Ciro participou ontem do 60º Congresso Nacional de Hotéis (Conotel), no Centro de Eventos do Ceará.

Nos últimos dias, emissários do PDT têm procurado outros partidos, principalmente o PT, na tentativa de costurar aliança em torno do seu nome.

Ciro afirmou que o PSB é a sigla de sua preferência para eventual apoio, visto que, com a desistência do ex-ministro do Supremo Joaquim Barbosa de se lançar ao Planalto, a sigla está sem candidatura própria para 2018.

Diante do quadro, ele avalia que o PSB retoma as “tratativas e diálogos” que mantém com ele. Em entrevista ao jornal Estadão no dia 26, Ciro falou sobre o perfil que procura para o seu vice: um empresário ligado ao sul e sudeste.

O PSB abriga o empresário e ex-prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda. O mineiro tem relação de amizade com Ciro, além de ter sido secretário-executivo do pedetista quando ele foi ministro da Integração Nacional no primeiro governo do ex-presidente Lula.

As características buscadas pelo ex-governador do Ceará teriam propósito de fazer seu nome ser melhor recebido pelo mercado financeiro. Um dos nomes sondados para o posto era o do amigo e empresário Benjamin Steinbruch, dono do grupo Vicunha Têxtil e da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).

O ex-governador, entretanto, descartou a possibilidade.”Eu sou muito amigo do Benjamin Steinbruch e ele, de repente, se filia ao Partido Progressista. O PP está junto com o PR e o Democratas ao redor da candidatura do Rodrigo Maia (DEM). Eu não vou cometer a descortesia e a indelicadeza (de negociar), sabendo que amanhã preciso dialogar pra bem governar o País, com um partido que está na aliança de outro companheiro que está disputando comigo”, disse.

Questionado sobre eventual aliança com partidos de centro, Ciro respondeu que está se preparando para unir o Brasil em “momento de crise explosiva”. Ele afirmou ainda que ninguém o impedirá de dialogar com todos os setores da sociedade brasileira.

Fonte: O POVO Online