Começa campanha de vacinação contra o sarampo e a poliomielite

O Dia D da Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo e a poliomielite é somente no dia 18 de agosto. A partir de hoje, 6, no entanto, todos os 109 postos de saúde da Capital vão oferecer vacinas, contra o sarampo e contra a poliomielite, para todas as crianças de 12 meses até 4 anos, 11 meses e 29 dias. Em Fortaleza, a meta da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) é de imunizar, no mínimo, 131.401 meninos e meninas. Em todo o Estado, a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) quer atingir a um público de, pelo menos, 483.724.

As duas metas se referem a 95% de crianças na faixa etária. A campanha é indiscriminada segundo a enfermeira Ana Vilma Leite, coordenadora Estadual de Imunização. Isso significa que deve atingir a todas as crianças nesse intervalo de idade, independente de elas já terem ou não sido vacinadas. “Têm crianças que não têm uma boa resposta à imunização. Ou ainda, que não tomou a vacina e perdeu o cartão. Atingir a todas elas novamente é para corrigir essas e outras falhas vacinais”.

A campanha também quer atualizar o calendário de imunização. De acordo com a enfermeira, a medida pretende reverter a queda da cobertura vacinal, que vem ocorrendo nos últimos três anos. A exemplo disso, a imunização contra a poliomielite caiu de 95% para 78,5%. Fenômeno semelhante ocorreu com a cobertura com a tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola). Se antes alcançava 100% da população, hoje a vacinação protege apenas 85% das crianças.

A carteira de vacinação de João Miguel, 2, está rigorosamente em dia. Passeando com o pai, o vendedor ambulante Diego Nascimento, 24, o menino corre pela Praça do Ferreira e mostra que tem muita saúde. Segundo o pai, é difícil ele ficar doente. “A mãe dele é muito preocupada e dá todas as vacinas no tempo certo”, diz.

A médica pediatra Tânia Petraglia, do Departamento de Imunização da Sociedade Brasileira de Pediatria, afirma que são dois os principais entraves que pais e, o País no geral, enfrentam no quesito das vacinações. O primeiro é a divulgação de informações falsas e, o segundo, de movimentos antivacinação, sobretudo religiosos. “A vacina é segura. E qualquer pesquisa que os pais queiram fazer sobre o tema, procurem em sites confiáveis, como o da Sociedade Brasileira de Imunização ou o do Ministério da Saúde”.

(Angélica Feitosa).

CASOS DE SARAMPOO Brasil recebeu, em 2016, da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo. Atualmente, empreende esforços para manter o certificado, principalmente por meio do fortalecimento da vigilância epidemiológica, da rede laboratorial e de estratégias de imunizaçãoSURTOSAtualmente, o Brasil enfrenta dois surtos de sarampo: em Roraima e no Amazonas. Além disso, alguns casos isolados foram identificados nos estados de Rio de Janeiro (14); Rio Grande do Sul (13); Pará (2), Rondônia (1) e São Paulo (1).Até o dia 17 de julho, foram confirmados 822 casos de sarampo no Amazonas e em Roraima.

Fonte: O POVO Online