Dezoito mil crianças não foram vacinadas com pentavalente em Fortaleza

Há dois meses, pelo menos 18 mil crianças de dois a seis meses deixaram de ser imunizadas com a vacina pentavalente na Capital, segundo a Secretaria Municipal da Saúde (SMS). De acordo com Vanessa Soldatelli, coordenadora de imunização da pasta, as doses enviadas entre setembro e novembro do ano passado não chegaram ao quantitativo mínimo necessário, de nove mil vacinas. “Em dezembro, a vacina não chegou. Há cerca de cinco minutos (eram 10 horas da manhã quando Vanessa falou com O POVO), foi liberado 60% desse total (5.400 vacinas). Vamos conseguir melhorar o abastecimento”, conta.

Segundo a coordenadora, como havia muitas crianças para serem vacinadas, as mães correram para os postos e, com isso, o estoque acabou em alguns deles. Mas em um curto espaço de tempo, ainda segundo ela, é possível contornar a situação. Até sexta, o cenário deve estar normalizado conforme Vanessa.

Outro problema enfrentado nos postos da Capital é o de que pais de outros municípios vizinhos, por não terem vacinas nas cidades que vivem, vêm com os filhos para receberem imunização na Capital. “Cada criança deve ser vacinada em seu município, até para uma questão de controle vacinal”, aponta a coordenadora.

Maria Lucilene do Nascimento, 34, foi prevenida e assim que soube que tinha doses no posto de saúde Irmã Hercília, no São João do Tauape, foi à unidade vacinar a Ana Talita, de dois meses. “Fui a outros postos e não tinha. Fiquei preocupada porque a vacina protege de doenças graves, né?”, confirma.

A vacina pentavalente protege crianças de cinco doenças bacterianas – meningite, tétano , difteria, coqueluche e hepatite B – e é tomada em três doses: aos dois, quatro e seis meses. Ela está presente no calendário de imunização como vacina obrigatória em todo o País;

Em nota, a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) avisa que o repasse da vacina pentavalente é feito pelo Ministério da Saúde. A Sesa recebeu 31 mil doses da vacina Pentavalente em outubro de 2019. Em janeiro de 2020, recebeu 37 mil doses, que são suficientes para um mês.

O Ministério da Saúde (MS) informou, por meio de nota, que a remessa de vacina pentavalente, adquirida por intermédio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), foi reprovada em teste de qualidade feito pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) e análise da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Por essa razão, “as compras com o antigo fornecedor, a indiana Biologicals E. Limited, foram interrompidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS)”. A pasta já iniciou o processo de regularização da distribuição da pentavalente neste mês de janeiro.

O Ministério da Saúde começou a distribuir um total de 1,7 milhão de doses da vacina pentavalente para os estados. Após recebimento pelo estado, o produto passa a ser encaminhado aos municípios. Para o Ceará serão liberadas 75 mil doses da vacina pentavalente.

Em 2019, O MS distribuiu mais de 4,7 milhões de doses da vacina pentavalente aos estados de todo o País.

FONTE: O POVO ONLINE