Fortaleza registra maior inflação do País após reajustes

Fortaleza registrou a maior variação na inflação em abril, ante o mês anterior, dentre todas as capitais do País. O principal responsável pela elevação da taxa foi o reajuste de 15,86% nas contas de água e esgoto determinado pela Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) a partir de 24 de março.

A Cidade também ficou bem acima da média nacional, conforme o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

A taxa brasileira no mês passado foi de 0,57%, permanecendo abaixo da apresentada em março (0,75%). Já o acumulado do ano foi 2,09%. Na contramão dos números nacionais, a Capital cearense exibiu índices mais altos. No mês passado, a variação foi de 0,91%, também a maior registrada no País.

Ao observar o acumulado do ano, Fortaleza permaneceu como a segunda capital com maior alta (2,82%), atrás apenas de Aracaju (2,87). O IBGE apresentou ainda a variação acumulada nos últimos 12 meses. A média nacional foi 4,94%, enquanto que em Fortaleza permaneceu em 4,91%. A cidade de maior índice foi Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, com 5,63%.

O resultado do IPCA de abril sofreu forte influência dos grupos de alimentação e bebidas (0,63%), transportes (0,94%) e saúde e cuidados pessoais (1,51%). Os três grupos responderam por 89,5% do índice do mês. Único que representou deflação foi o de artigos de residência, com -0,24%.

Na pesquisa, percebe-se que a gasolina e os remédios foram os vilões da inflação de abril. Houve destaque também para “remédios” (2,25%), refletindo o reajuste anual, em vigor desde 31 de março, com teto de 4,33%, segundo o IBGE.

Segundo Fernando Gonçalves, da Gerência de Sistema Nacional de Índices de Preços (SNIPC) do IBGE, os remédios tiveram o terceiro maior impacto individual no IPCA de abril. Na alimentação, pesaram o tomate (28,64%), segundo maior impacto individual no IPCA de abril, o frango inteiro (3,32%), a cebola (8,62%) e as carnes (0,46%). (Wanderson Trindade/Especial para O POVO, com Agência Estado)

Fonte: O POVO Online