General tem “autoridade” para enfrentar crise de segurança, diz Tasso

TASSO foi ao evento acompanhado de Theophilo, pré-candidato ao Governo ALEX GOMES/ ESPECIAL PARA O POVO

O senador Tasso Jereissati (PSDB) defende que o Ceará precisa de um gestor com “autoridade” para enfrentar a crise de segurança pública. Essa pessoa, segundo ele, é o general Guilherme Theophilo, pré-candidato tucano ao Governo do Estado. A reputação, o currículo e a “coragem” do militar foram defendidos ontem por Tasso durante reunião na Federação das Câmaras dos Dirigentes Lojistas de Fortaleza (FCDL).

 

Convidado para participar da reunião mensal da diretoria da entidade, Tasso foi acompanhado de Theophilo, além do deputado federal Raimundo Gomes de Matos e do deputado estadual Carlos Matos (todos do PSDB). O assunto da segurança pública foi o mais discutido pelo senador, sinalizando que o tema dará o tom da campanha da oposição no Estado.

Em suas falas, Tasso não só elogiou Theophilo como alfinetou a gestão do governador Camilo Santana (PT), afirmando que ele não deu a devida atenção às facções criminosas antes da crise e destacando a falta de inteligência da polícia do Ceará.

“O general tem autoridade. Está faltando autoridade no Ceará, a coisa está descontrolada”, acusou. “É preciso que se faça um plano de governo que seja inteligente, mas acima de tudo que apareça a figura de autoridade, alguém que tenha coragem para enfrentar os desafios e que possa impor a sua autoridade”. A assessoria de Camilo informou que ele não iria comentar as declarações.

O tucano atribuiu parte da responsabilidade à “falta de oposição”. De acordo com ele, há pelo menos três anos já existiam sinais de que os grupos criminosos estavam se fortalecendo no Ceará. “Uma série de coisas já vinham acontecendo faz tempo, o Governo (do Estado) por falta de oposição, o que cria uma certa empáfia, uma arrogância, não quis acreditar no que estava acontecendo, não deu atenção necessária e não fez nada”, disse.

O tema da segurança pública foi pautado também pelos lojistas, que relataram casos de violência nos comércios e insegurança no trabalho. O presidente da Federação das CDLs, Freitas Cordeiro, afirmou que a preocupação é percebida em todos os municípios.

“Nós temos aqui um projeto de integração em que visitamos todas as cidades do Estado com CDLs instaladas. Em todas, o primeiro reclamo é a segurança. Não que outras demandas não existam, mas estão todas em segundo plano”, explicou Cordeiro. O dirigente, por sua vez, não culpou Camilo pela crise. “Esse é um processo que se instalou pelo Brasil”.

BASTIDORES

Palavra cassada

Ao lado de Tasso, general Theophilo não teve chances de discursar na reunião da Federação das CDLs. O presidente da Entidade, Freitas Cordeiro, pediu desculpas e explicou que haverá um momento futuro para os concorrentes participarem do debate.

À prova de Lava Jato

Tasso destacou a “integridade” do seu pré-candidato ao Governo do Estado, General Theophilo, e afirmou que na sua chapa “não entra a Lava Jato”.

Fonte: O POVO Online