Leilão deve atrair investidores nacionais e internacionais

Pelo menos seis empresas, nacionais e internacionais, interessadas em participar do leilão, já visitaram atual estrutura do Terminal de Passageiros do Porto de Fortaleza, segundo a diretora-presidente da Companhia Docas do Ceará (CDC), Mayhara Chaves. Especialistas ouvidos pelo O POVO também confirmam que o cenário brasileiro está favorável para concessões, o que pode levar competitividade à disputa.

“Os setores de infraestrutura, de modo geral, estão sendo muito atraentes para concessão, com muitas empresas nacionais e internacionais interessadas em participar deste tipo de processo. Inclusive, existem fundos de investimentos disponíveis, além de uma perspectiva de que a economia, aos poucos, começa a melhorar. Então acredito que provavelmente este leilão deve ter uma disputa interessante”, afirmou o presidente da Oficina Brasileira de Projetos de Infraestrutura (OBPI) e especialista em projetos de Parceria Público-Privada (PPP), André Barbosa.

Mayhara Chaves destaca que, para além do edital, os recentes memorandos de entendimentos assinados junto à Prefeitura de Fortaleza, em relação a duplicação da rua Vicente Castro, que dá acesso ao terminal de passageiros, e com o Governo do Estado para viabilização de estudos para instalação de um bondinho elétrico que interligue aquela área à Praia de Iracema, também devem contribuir para elevar a atratividade do equipamento. “Não tenho dúvidas de que teremos muitos interessados, antes mesmo do edital, algumas empresas já estiveram aqui para ver melhor o espaço”.

O economista e consultor de empresas, Sérgio Melo, também está otimista em relação ao leilão. Para ele, os ganhos da Cidade com o arrendamento do terminal virá em uma agilidade maior nas obras de infraestrutura que precisarão ser feitas, mas, principalmente, na busca pela eficiência da gestão. “É um grande caminho porque reduz o peso do poder público. O governo tem recursos limitados e este tipo de equipamento exige um investimento forte em modernização”.

FONTE: O POVO ONLINE