Médias empresas passarão a custear o próprio lixo, anuncia Prefeitura

O prefeito Roberto Cláudio (PDT) anunciou nesta segunda-feira, 5, a ampliação das ações do programa de gestão integrada de resíduos sólidos. O conjunto de medidas será implementado neste ano e irá até 2020. Entre as medidas anunciadas, o prefeito afirmou que a primeira delas envolve nova legislação, que tratará todo o lixo gerado pelas médias empresas como responsabilidade da própria firma. Como exceção à medida, entram os micro-empreendimentos.

Em entrevista coletiva, o chefe do Executivo Municipal afirmou que a medida fará com que o recurso público seja destinado para melhorar a coleta do lixo domiciliar. “O foco vai ser coletar o lixo do cidadão e não o lixo gerado pela iniciativa privada”.

O coordenador de limpeza urbana da Prefeitura, Albert Gradvohl, é otimista quanto ao submetimento das ideias à Câmara Muicipal. Para ele, é muito justo que as empresas de médio porte paguem pelo lixo produzido, uma vez que o lixo é consequência de uma atividade destinada ao lucro próprio.

De acordo com a Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP), em 2017 foram recolhidas 545.296 toneladas de lixo produzidos pela iniciativa privada – 47% – de um total de 1,1 toneladas de lixo.

Outra ação anunciada pelo pedetista foi o aumento dos Ecopontos. Até 2020, a promessa é de que Fortaleza tenha 120 destes espaços. Hoje, conforme RC, a cidade dispõe de 38 Ecopontos. Para este ano, a promessa é de mais 41 destes locais destinados ao lixo.

Somado a isso, também foram anunciadas mudanças no programa E-Carroceiro. Antes, o projeto pagava os catadores por meio de descontos nas contas de água, luz e bilhete único. Agora, os carroceiros receberão em espécie. “Lixo de entulho, lixo de poda vegetal, de resto de mobília. Porque é mais barato a gente pagar o carroceiro do que coletar e levar este lixo para o aterro”, defende.

Ampliação de Ecopolos

Os bairros Messejana, Varjota e o entorno das avenidas Bernardo Manuel, Fernandes Távora, Jovita Feitosa e Dom Manuel serão contemplados com a criação de Ecopolos. Conforme a SCSP, a avenida Leste-Oeste é uma experiência positiva dos Ecopolos. Da rua Jacinto Matos até a avenida Pasteur, deixaram de existir 11 pontos de lixo.

Mais do que os Ecopontos, os Ecopolos envolvem lixeiras subterrâneas, Ecopontos, ciclofaixas, faixas de pedestres e sinalização.

Categoria

Presidente da Rede Estadual de Catadores do Ceará, Maria Lilian Teixeira, entende que a política é saudável, mas não inclusiva para a categoria dos catadores. Para ela, a classe não foi incluída enquanto agentes contribuidores da política. Maria informa que a discussão para a inclusão da categoria se dá há tempos.

Fonte: O POVO Online