Morre aos 69 anos o cantor e compositor Tunai

José Antônio de Freitas Mucci, conhecido como Tunai, morreu na manhã deste domingo (26) aos 69 anos. O cantor, compositor e violonista foi encontrado sem vida, pela esposa, no sofá de sua casa, no bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro.

Segundo nota publicada em suas redes sociais, o artista de 69 anos não estava doente e morreu dormindo.

“Acreditamos que foi uma parada cardíaca”, diz o texto, que informa que o velório será realizado amanhã, às 12h30min, na sala 7 do Memorial do Carmo, no Rio. O corpo de Tunai será cremado às 15h30min e suas cinzas serão levadas para a cidade de Ponte Nova, em Minas Gerais, onde estão outras pessoas de sua família.

A morte de Tunai foi noticiada, ainda, no perfil no Facebook do também cantor e compositor João Bosco, seu irmão. “É com imensa tristeza que recebemos a notícia do falecimento precoce do grande compositor Tunai, irmão de João Bosco. Descanse em paz. (Equipe JB)”

As composições de Tunai foram cantadas por grandes nomes da Música Popular Brasileira, como Milton Nascimento, Elis Regina, Ney Matogrosso e Fafá de Belém.

Como o irmão, Tunai nasceu em Ponte Nova (MG) e se formou em engenharia. Em 1977, João Bosco o apresentou ao letrista Sergio Natureza, seu principal parceiro com quem compôs seus principais sucessos como “As aparências enganam”, gravada por Elis Regina, e “Frísson”. Ele também teve canções gravadas por Mílton Nascimento, Ney Matogrosso, Gal Costa, Fafá de Belém, Elba Ramalho, Fagner, Emílio Santiago, Zizi Possi, Beto Guedes, Joanna, Sandra de Sá, Sérgio Mendes, Belchior, Ivete Sangalo, Roupa Nova, Jane Duboc e Simone.

O Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira registra 61 canções compostas por Tunái. Seu primeiro disco “Todos os Tons” foi lançado em 1981. No total, gravou sete LPs, sete gravou CDs, além de dois compactos simples.

Tunai comemorou 40 anos de carreira no ano passado com um show e a gravação de um álbum e um DVD chamados ‘Caderno de Lembranças’. Durante a divulgação do trabalho, ele participou em outubro do ano passado do programa Sem Censura, da TV Brasil, e do Tarde Nacional, da Rádio Nacional do Rio de Janeiro.

O artista era casado e deixa a esposa Regina, a filha Daniela, o filho André e o neto Fernando, para quem compôs a música “O Menino Fernando”.

Carreira

Até ser apresentado a Sérgio Natureza, Tunai trabalhava apenas como engenheiro civil. Em 1978 estreou como compositor quando Fafá de Belém interpretou “Se eu disser”, escrita pela dupla. No ano seguinte, Elis Regina grava “As aparências enganam”, outra criação de Tunai e Natureza. Elis seria uma das principais vozes a cantar as músicas do compositor, gravando também “Agora tá” e “Lembre-se”. Tunai estreou como cantor em 1981, com o disco “Todos os tons”, e foi alçado à fama pela música “Frisson”, do álbum “Em cartaz”, de 1984.

Outros discos de Tunai tiveram calorosa recepção, como “Sintonia” (1985), “Sobrou pra mim” (1988) e “Dom” (1994), todos com músicas que integraram trilhas sonoras de novelas. Além do sucesso com as próprias gravações, grandes nomes da música brasileira também gravaram suas composições, como Gal Costa (“Olhos do coração” e “Eternamente”), Milton Nascimento (“Rádio experiência” e “Certas canções”), Elba Ramalho (“Frisson”) e Fagner (“A chama azul de um blues”).

O último álbum do artista foi “Caderno de lembranças”, de 2019, produzido de maneira independente após 15 anos sem novas gravações. Estava com show marcado para abril, juntamente com o maestro e pianista Wagner Tiso.

FONTE: O POVO ONLINE