Multas por trânsito irregular em ciclofaixas quase triplicam no 1° semestre

A APLICAÇÃO de penalidade à infração como a registrada na foto é única e exclusivamente feita por agentes de trânsito

Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) aplicou 3.130 multas por trânsito irregular sobre ciclofaixas ou ciclovias até o final de junho deste ano em Fortaleza. O número é quase três vezes maior que o registrado no mesmo período de 2018, quando 1.069 foram aplicadas. Tido como uma das prioridades da gestão municipal, o ciclista tem disponível cerca de 261 quilômetros de infraestrutura cicloviária para o deslocamento seguro na Cidade.

A expectativa de Arcelino Lima, superintendente da AMC, é de redução no número de mortes de ciclistas no final do ano. Para ele, a intenção era a inexistência de multas; porém, o anseio se torna distante visto que é necessário o pleno respeito ao espaço reservado aos ciclistas. “A gente sabe que é uma infração muito difícil de ser fiscalizada. Um motociclista ou motorista comete esse desrespeito para fugir do engarrafamento, por exemplo.”

A infração, segundo ele, dificilmente ocorre por toda faixa exclusiva. “Possivelmente devido a presença das câmaras, além da presença dos agentes de trânsito.” Arcelino afirma que a quantidade de infrações multadas é inferior à realidade das ruas. Apesar das 350 câmeras instaladas, principalmente nas avenidas, os equipamentos não são responsáveis por multar. A aplicação da penalidade é única e exclusivamente feita pelo agente de trânsito.

Transitar sobre ciclofaixa ou ciclovia é enquadrado como infração de natureza gravíssima. A penalidade recai sobre sete pontos no prontuário do condutor e multa no valor de R$ 880,41. Outra transgressão tipificada pela Autarquia é estacionar nos espaços reservados ao ciclista. O ato é de natureza grave; acarretando cinco pontos e multa no valor de R$ 195,23.

A AMC aplicou, por estacionar nas ciclofaixas ou ciclovias, 265 multas no primeiro semestre deste ano. Em todo o ano de 2018, foram 1.018. Essa quantidade é menor se comparada a 2017. Quando 1.643 multas foram computadas.

O auxiliar adminstrativo Miguel Muniz, 22, considera justa a aplicação de multa àqueles que trafegam no espaço destinado aos ciclistas. “Passo todos os dias na avenida Santos Dumont, e só o que vejo são motociclistas desrespeitando”, comenta sobre o trajeto que faz com a motocicleta para ir trabalhar, da Messejana a Barra do Ceará.

“A mobilidade urbana melhorou muito depois das ciclofaixas em Fortaleza. Um dos meios que eu utilizo para não provocar acidentes é sempre respeitar os limites de velocidade”, comenta Miguel. Sobre os cuidados no trânsito, ele afirma diminuir a velocidade e esperar passar o condutor do veículo menor “independente se ele estiver na frente ou do lado.”

O número de mortes no trânsito em Fortaleza diminui desde 2014. Neste ano foram registradas 377 vítimas; em 2018, a quantidade foi de 226. Redução de 60%. O número de ciclistas vítimas é equivalente a 10% das mortos no último ano, atrás dos motociclistas (45,6%) e dos pedestres (39,8%). Pessoas com idade entre 30 a 59 anos são as que mais têm a vidas ceifada no trânsito da capital. Desses, oito em cada dez são homens. Os dados são do Sistema de Informação de Acidentes de Trânsito de Fortaleza (Siat-FOR).

Ricardo, ciclista há 20 anos
Ricardo, ciclista há 20 anos

NA BIKE HÁ 20 ANOS

O funcionário público Ricardo Campos, 50, pedala pelas ruas de Fortaleza desde os 30 anos. Para ele, a situação para os ciclistas melhorou consideravelmente desde a implantação das ciclovias na Cidade. Apesar disso, ele aponta a persistência do desrespeito por parte dos condutores de veículo maior. “Se você está equipado, eles até respeitam. Mas se você trafega sem equipamento, por hobby ou voltando do trabalho, eles não ligam.”

“A situação mais corriqueira, até com amigos, é naquelas ciclovias de sentido duplo. Sempre as pessoas vão olhar para o sentido que vem o veículo, geralmente em sentido único. O menor nunca é respeitado. A pessoa só vai olhar pro sentido do carro. Você tem que aprender a pedalar para diminuir os riscos”, lamenta.

Sobre os benefícios de pedalar, Ricardo enfatiza que funciona até como terapia. ” (A prática  está) tirando gente da depressão, evitando problemas de pressão. Conheço amigos que melhoraram a vida depois de começar a pedalar.”

Infraestrutura

Fortaleza detém 261 quilômetros de infraestrutura cicloviária para o deslocamento seguro na Cidade. A mais recente implantação de ciclofaixa foi na avenida Oliveira Paiva, com 2,6 km de extensão, e outra já está em andamento na Perimetral.

Infrações nas ciclovias e ciclofaixas

2017

Estacionar sobre ciclovia ou ciclofaixa: 1.643

Transitar com o veículo em ciclovias e ciclofaixas: 6.467

2018

Estacionar sobre ciclovia ou ciclofaixa: 1.018

Transitar com o veículo em ciclovias e ciclofaixas: 4.338

2019 (de janeiro a junho)

Estacionar sobre ciclovia ou ciclofaixa: 265

Transitar com o veículo em ciclovias e ciclofaixas: 3.135

Valor das multas

Estacionar sobre ciclofaixa/ciclovia

Infração de natureza grave, cinco pontos no prontuário do condutor e multa de R$ 195,23.

Transitar sobre ciclofaixa/ciclovia

Infração de natureza gravíssima, sete pontos no prontuário do condutor e multa de R$ 880,41.

Fonte: O POVO Online