“Número um” do PCC no Sertão Central cearense é preso em São Paulo

Carlos Odeon Bandeira, 35, conhecido como “Jow”, foi preso, nesta segunda-feira, 16, no município de São José dos Campos, em São Paulo. O POVO Onlineapurou que ele seria o “número um” da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) no Sertão Central cearense.
Foragido da Justiça, ele é apontado como mandante de uma fuga de presos da cadeia pública do município de Milhã, distante 291,8 km de Fortaleza. O resgate de presos, que aconteceu no dia 12 de dezembro do ano passado, deixou morto o sargento Izaías dos Santos Lima, de 41 anos, e o preso João Eduardo Viana dos Santos, 18.
Jow foi capturado em São Paulo. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Jow foi preso por equipes da Polícia Civil do Ceará (Departamento de Polícia do Interior Sul – DPI Sul; e policias da Delegacia de Quixeramobim), com apoio da Polícia Civil de São Paulo e do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de São Paulo.
Agora, a Polícia realiza tratativas para o recambiamento de Jow a uma unidade do sistema prisional do Ceará, onde irá cumprir pena.
A prisão
O acusado foi encontrado em um apartamento na companhia de familiares. Dentro do imóvel, os policiais encontraram R$ 26 mil em espécie, documentos falsos e anotações do tráfico de drogas. Ele foi autuado em flagrante por uso de documento falso. No momento, foi cumprido mandado de prisão pelo homicídio do sargento Izaías.
Jow acumula três passagens por tráfico de drogas e associação para o tráfico, além de três passagens por homicídios, uma por porte ilegal de arma de fogo e uma por porte ilegal de arma de fogo de uso restrito. Também tem passagem por associação criminosa, fuga de preso e uso de documento falso.
Ele é investigado no Ceará pelos crimes de organização criminosa, tráfico de drogas e lavagem de dinheiro pela atuação na região do Sertão Central cearense, principalmente nas cidades de Milhã e Quixeramobim.
Fuga em Milhã
De acordo com a Polícia Civil do Ceará, “Jow” arquitetou e pôs em funcionamento o plano para resgatar duas pessoas que tinham sido presas na operação “Ilha de Guantánamo”, realizada no dia 8 de dezembro. O resgate aconteceu no dia 12.
Um terceiro suspeito que conseguiu fugir, identificado por João Eduardo Viana dos Santos, 18, foi morto na troca de tiros com a Polícia. No tiroteio, o sargento Izaías foi atingido na cabeça e socorrido pelos policiais, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.
No dia 13, Antônio Jardel Ribeiro de Aquino, 31, foi morto, em novo confronto com a Polícia. No momento do fato, Jardel tinha em sua posse um revólver calibre 38. De acordo com as investigações, Jardel também participou do resgate dos três presos na Cadeia Pública de Milhã.
Seguindo rastros deixado por “Jow” e pelo grupo criminoso que participou do resgate, as Polícias Civil e Militar conseguiram localizar um carro onde estavam “Jow” e o padrasto dele, Givanildo da Silva, 45, o “Branco”. Os dois foram capturados em Fortaleza, horas depois do resgate, por meio de sensores do Sistema Policial Indicativo de Abordagem (Spia), dentro de um Toyota Hilux, por policiais militares do Batalhão de Rondas de Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio).
Em posse de “Jow”, foram encontrados documentos falsificados. Dois dias depois, “Jow” conseguiu fugir de uma unidade policial e só foi recapturado nesta terça, em São Paulo

LUCAS BRAGA – O POVO Online