Operação de emergência recolherá o petróleo em praias atingidas no Ceará

Tartaruga foi encontrada coberta de óleo no litoral do RN

Sete praias do Ceará, atingidas pelo petróleo cru que foi derramado no Atlântico e que contaminou parte do litoral de oito estados do Nordeste do Brasil, receberão amanhã, 28, uma operação de emergência para limpeza. Um mutirão, coordenado pela Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), a partir da 8 horas, iniciará o trabalho de recolhimento do óleo pela Cofeco, em Fortaleza, na região da Sabiaguaba.

De acordo com a assessoria de imprensa da Semace, no domingo e durante a próxima semana, a limpeza continuará no Porto das Dunas (Aquiraz), Tabubinha (Beberibe), Pontal de Maceió (Fortim), Canoa Quebrada (Aracati), no litoral leste, Taíba (Paraipaba) e Baleia (Itapipoca), no litoral oeste.

As sete praias receberão as equipes de remoção do material considerado “perigoso” pela Semace. Os pontos mais críticos foram indicados por três equipes do órgão ambiental que percorreram o litoral do Ceará para “avaliar a extensão e gravidade dos efeitos do óleo”.

Ainda hoje, a Semace divulgará o boletim de balneabilidade de 35 praias dos litorais leste e oeste do Ceará para orientar banhistas e outros interessados. No entanto, o exame é feito com amostras da água do mar colhidas em pontos pré-determinados e que se repetem periodicamente. Segundo a assessoria de imprensa, ainda não coincidirão com as praias onde a mancha de petróleo foi avistada.

Na próxima semana, segundo o setor de Comunicação do órgão, a Semace concluirá a análise das amostras de água do mar e de areia contaminados nas praias atingidas pelo “piche”, colhidas na última quinta-feira e ontem.

O exame solicitado pela Secretaria do Meio Ambiente (Sema) é parte de um esforço coordenado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveos (Ibama) para minimizar os efeitos do óleo sobre o meio ambiente e de localizar os responsáveis pelo crime ambiental.

A operação no litoral cearense

No Ceará, o primeiro registro oficial da poluição no litoral ocorreu no dia 5 deste mês, em Fortaleza, segundo a Semace. No entanto, desde o dia 2/9, populares já estavam postando nas redes sociais praias com o piche e tartarugas encalhadas – cobertas de óleo.

De acordo com a Semace, além de pessoal orientado para a coleta segura da “substância perigosa”, a operação contará com equipamentos, tambores e carros apropriados para o transporte. O apoio foi oferecido por empresas cearenses, com a Marquise.

A destinação final é do que for recolhido será o forno de uma indústria de grande porte, localizada na Região Metropolitana de Fortaleza.

A ação de limpeza das praias do Ceará tem como meta preservar a vida e a saúde de aves e animais marinhos. E também evitar o contato de banhistas com a substância, ainda não identificada em laboratório.

Segundo nota da Semace, “é importante que populares evitem as praias onde tem óleo e que não tentem removê-lo sem equipamentos de proteção e sem saber para onde vai mandar esse material tóxico”.

De acordo com a Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras), a substância oleosa que está poluindo as praias do litoral nordestino são porções de petróleo cru produzidas fora do Brasil. A investigação mostra que o “piche” poluente é a mesmo encontrado em toda orla de oito estados, com exceção da Bahia. Os poluidores ainda não teriam sido identificados.

Fonte: O POVO Online