Réu é condenado a 60 anos de prisão por Chacina do Padre Andrade

Helenilson Araruna de Sousa, conhecido como Bidia, um dos três acusados de participação da chacina do Padre Andrade, ocorrida em 2017, foi condenado pelo Conselho de Sentença do 2º Tribunal do Júri de Fortaleza a 60 anos de reclusão.

John Lennon Almeida Sousa e Pabllo Gabriel Martins Gomes, também acusados de participarem do crime, foram condenados a 63 e 31 anos de reclusão, respectivamente, em julgamento realizado em 12 de março de 2018.

Os três réus foram condenados por triplo homicídio e três tentativas de homicídio, todos duplamente qualificados, por motivo torpe e uso de recurso que impossibilitou a defesa das vítimas. O motivo dos crimes seria conflito entre facções que disputam o controle do tráfico de drogas nos bairros Padre Andrade e Álvaro Weyne.

A investigação do 7° DP (Pirambu) apontou que os mortos e os outros três baleados, no entanto, não tinha relação com facções e se tornaram vítimas apenas pelo fato de morar naquela área. Um grupo da Lagoa do Urubu pretendia vingar uma morte que aconteceu no mês de fevereiro.

Segundo a acusação, no dia 30 de março de 2017, por volta das 16h30, os acusados, na companhia de três adolescentes, chegaram em quatro motos a Praça Luciano Cardoso, no bairro Padre Andrade, e, portando pistolas, efetuaram vários disparos, aleatoriamente, contra pessoas que estavam no local.

As vítimas Antônio Dionísio Duarte, Jaime Barros de Almeida Filho e Alex Bruno Sousa Ferreira faleceram na hora. Outros três homem foram atingidos, mas foram socorridos e sobreviveram.

Conforme a promotora da Justiça do Ministério Público do Ceará (MPCE), Alice Iracema Melo Aragão, Helenilson recebeu pena menor por ter, à época do crime, menos de 21 anos de idade. Já Pablo Gabriel, teve sua pena reduzida por ter realizado colaboração premiada.

Dos três condenados, apenas John Lennon Almeida está foragido, e foi julgado à revelia.

O caso faz parte do projeto Tempo de Justiça, uma parceria entre MPCE, TJCE, Defensoria Pública e SSPDS, com o apoio técnico da Vice-Governadoria do Estado, que tem a finalidade de aumentar a celeridade dos processos judiciais de crimes contra a vida ocorridos em Fortaleza.

Fonte: O POVO Online