Setembro tem queda de 8% nos preços de alimentos e produtos em Fortaleza

O preço do tomate, por exemplo, foi encontrado de R$ 1,45 a R$ 5,99, segundo o Procon

Em setembro, os preços de alimentos e produtos nos supermercados de Fortaleza registraram redução de 7,98%. É o que aponta a nova pesquisa do Departamento Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon Fortaleza), divulgada nesta sexta-feira, 6.

No mês passado, a soma dos 60 produtos pesquisados mensalmente pelo Procon ficou em R$ 445,32. Já neste último levantamento, realizado nos últimos dias 3 e 4 de setembro, a média total dos produtos ficou em R$ 409,79.

Mesmo sendo a maior redução do ano, o Procon alerta que pode haver grande variação entre os supermercados pesquisados. O preço do tomate, por exemplo, foi encontrado de R$ 1,45 a R$ 5,99. O quilo do pimentão também apresenta alta diferença, indo de R$ 1,39 a R$ 5,15.

Quando o comparativo é feito entre os bairros, o Centro segue concentrando os preços mais elevados, totalizando R$ 479,90 como soma da média de todos os 60 produtos pesquisados mensalmente. Enquanto isso, a Regional VI possui os preços mais baixos, somando cerca de R$ 321,61 para os mesmos itens.

Confira os preços por regionais para a soma da média dos 60 produtos, organizados em ordem decrescente:

- Centro: R$ 479,90

- Regional V: R$ 446,25

- Regional III: R$ 441,98

- Regional I: R$ 428,38

- Regional IV: R$ 413,77

- Regional II: R$ 336,76

- Regional VI: R$ 321,61

Veja os cinco produtos com maiores variações na Capital:

- Tomate (quilo): encontrado de R$ 1,45 a R$ 5,99 (+ 313,10%)

- Pimentão (quilo): encontrado de R$ 1,39 a R$ 5,15 (+ 270,50%)

- Abacaxi (unidade): encontrado de R$ 1,89 a R$ 6,99 (+ 269,84%)

- Batata (quilo): encontrada de R$ 2,48 a R$ 8,59 (+ 246,37%)

- Cenoura (quilo): encontrada de R$ 1,89 a R$ 5,98 (+ 216,40%)

A pesquisa do Procon Fortaleza é dividida em itens de alimentação, carnes e aves, padaria, refrigerantes, frutas e verduras, higiene pessoal, limpeza doméstica e ainda cuidados e higiene infantil. A pesquisa está disponível no aplicativo “Proconomizar” e no site do Departamento.

Fonte: O POVO Online